sexta-feira, 8 de abril de 2011

Olha para o que faço...

Quero iniciar o que vou escrever, ressalvando que tenho o máximo respeito pelas forças da autoridade e pelo seu trabalho, indispensável ao bom funcionamento da nossa sociedade e ao cumprimento das suas regras.

Já referenciei aqui na rua, algumas coisas que me tiram do sério depressinha.
Recordo-me perfeitamente que uma delas era o abuso de muitas pessoas, ao usar os lugares de estacionamento para pessoas com mobilidade reduzida como se a eles tivessem direito, num desrespeito total pela lei, já para não falar pelo próximo.

E a cidade de Braga neste aspecto é péssima. Horrível mesmo. Todos nós sabemos que muitos condutores se acham donos e senhores das estradas e arredores e procedem como se tudo o resto girasse em seu redor.
Em Braga o abuso é constante, pelo simples facto de não existir fiscalização ou desta ser completamente ineficaz. Qualquer umas das policias, a municipal e a de segurança publica, passam frequentemente por este tipos de lugares, ocupados por viaturas que não estão devidamente autorizadas para o efeito e procedem como se nada se passasse.

Clique para aumentar
Pois ontem, dia 7 de Abril, chegou à minha posse esta fotografia, tirada pouco depois das 19h em frente à Central de Camionagem de Braga.
Existem no local lugares específicos de estacionamento para viaturas de transporte de cidadãos com mobilidade reduzida que como se deve compreender, tratando-se de um entreposto rodoviário é mais do que compreensível.

Seria apenas mais uma violação da lei, não tivesse a ser praticada pelos mesmos que a devem fazer cumprir, e por isso mesmo, dar o exemplo.
Esta viatura da PSP, sem se deslocar em serviço, pela calma e tempo despendido pelos agentes que nela se deslocavam, com a maior lata possível, estacionaram o carro no lugar reservado e entraram no edifício da central. Claro que a justificação será a de que os agentes estavam em serviço urgente, serviço este que não sinalizaram nem agiram como tal. Logo, se o serviço permitiu uma deslocação ao local em hora de ponta sem marcha de emergência sinalizada, com toda a certeza permitiria aos agentes arranjar um local mais adequado para o estacionamento.
Caso contrário, estão a a dar suporte a todos aqueles que depois se justificam com "foram só 5 minutos".
Foi sem duvida, uma caso justificado pelo simples, "porque posso".

Fiquei deveras indignado. E a mesma fica aqui manifestada. Não pretendo acusar ninguém em especial, mas apenas mostrar que o que está mal, com procedimentos e exemplos destes, fica com certeza pior.

4 comentários:

joao disse...

like a boss ehehhehehehhe XD

Maria Jose disse...

Como este temos muitos por toda a cidade, um exemplo na rua D. Afonso Henriques, em cima do passeio.

Paulo Novais disse...

Pois João. No caso da policia é mesmo "porque posso" que sou policia.
;-)

Maria José
Infelizmente o estacionamento em Braga reflecte um pouco da mentalidade e da educação cívica do povo: «O que importa sou eu, depois eu e sempre eu. Os outros logo se verá».
E as autoridades falham, não só nos critérios, como depois na aplicação da lei. Porque há locais e ruas da cidade em que, pelo menos de dia, são exemplares.
Ali ao lado da D. Afonso Henriques, na Praça do Município e algumas zonas do Campo da Vinha, só para citar algumas. E quando muitas vezes fazem aplicar a lei, é de forma desigual. Pois são capazes de multar um carro e a 30 metros permitir outro porque pertence a alguém conhecido...

Nuno Sá disse...

É e sempre será assim...desde que fui multado (60€), por não ter a freguesia do antigo BI igual à freguesia da carta, fui "mamado". Contudo, em jeito de conversa, conversei com o agente tentando apelar à razão e ao bom senso, alertando para outros perigos e dizendo que prontamente iria rectificar essa incongruência e à posteriori apresentar na esquadra respectiva, porque sem dúvida é um grande perigo andar na estrada com as moradas distintas(!), ele atirou "Eu não me arrisco a ir para estrada ver as contra-ordenações...ainda apanho um maluco!" Dá para tudo...