quinta-feira, 11 de outubro de 2012

Segredos à moda (do PS) de Braga

Os termos do contrato de arrendamento do novo estádio municipal de Braga vão custar pelo menos 12 milhões de euros aos cofres municipais e render apenas 180 mil euros.
Os valores para o contrato de 30 anos que o município celebrou com o Sporting Clube de Braga são calculados aos preços atuais e com base em informações prestadas pelos serviços de contabilidade da autarquia bracarense ao Supremo Tribunal Administrativo.

Os números a que o Diário do Minho teve acesso dão conta que a Câmara Municipal está a gastar mais de 400 mil euros  por ano com as despesas de manutenção do novo estádio municipal de Braga. A despesa média anual mais do que duplica a receita que os cofres municipais vão encaixar com a concessão da exploração do estádio ao Sporting Clube de Braga.
Pelos 30 anos em que vai vigorar o contrato de cedência do  equipamento desportivo, iniciado em 2005, o clube arsenalista vai pagar 180 mil euros. É um contrato “à medida” das parcerias público-privadas. O negócio do arrendamento, por 30 anos, do estádio Axa vai render 180 mil euros à Câmara de Braga. Mas impõe aos cofres públicos custos de 12 milhões de euros.

Os números a que o Diário do Minho teve acesso dão conta que a Câmara Municipal está a gastar mais de 400 mil euros por ano com as despesas de manutenção do novo estádio municipal de Braga.

A despesa média anual mais do que duplica a receita que os cofres municipais vão encaixar com
a concessão da exploração do estádio ao Sporting Clube de Braga.
Pelos 30 anos em que vai vigorar o contrato de
cedência do equipamento desportivo, iniciado em
2005, o clube arsenalista vai pagar 180 mil euros.
É um contrato “à medida” das parcerias público-privadas. O negócio do arrendamento, por 30 anos, do estádio Axa vai render 180 mil euros à Câmara de Braga. Mas impõe aos cofres públicos custos de 12 milhões de euros.

A despesa média anual mais do que duplica a receita que os cofres municipais vão encaixar com a concessão da exploração do estádio ao Sporting Clube de Braga.
Silêncio sobre custos de manutenção do Axa “traído” por informações ao Supremo Tribunal. Isso tendo por base o contrato de arrendamento em vigor, que estipula uma renda anual de 6.000 euros. No mesmo período de tempo, e descontando a inflação dos serviços que a edilidade está obrigada a prestar, os cofres municipais deverão ser chamados a suportar encargos na ordem dos 12 milhões de euros, se o atual nível de despesa não tiver uma oscilação significativa.

Embora o executivo chefiado por Mesquita Machado sempre se tenha escusado a avançar com o custo anual de manutenção do Axa para os cofres públicos, um documento que os serviços de contabilidade da Câmara Municipal de Braga fizeram chegar ao Supremo Tribunal Administrativo (STA) faz saber que, só nos dois primeiros anos de arrendamento do estádio, a autarquia teve de assumir custos de quase 830 mil euros, para cumprir as obrigações que resultam do contrato celebrado com o inquilino.
Depois de alertar que o Sporting de Braga esteve um ano a utilizar o novo estádio municipal sem qualquer contrapartida financeira para o município, o Supremo Tribunal revela que «a Divisão de Contabilidade da Câmara Municipal de Braga emitiu uma informação sobre as despesas de manutenção do novo estádio Municipal de Braga, com o valor global de 829.926,69 euros», pelos dois primeiros anos de contrato.

As informações prestadas ao Supremo Tribunal Administrativo deixam claro que os custos de manutenção foram progressivos e que, em 2006, a gestão de Mesquita Machado foi chamada a assumir mais 20 mil euros de encargos suportados no ano anterior. As responsabilidades municipais vão do  tratamento do relvado à reparação das máquinas usadas para tratar da relva, passando pelos custos das comunicações de banda larga, equipamento informático e de monitorização instalados no Axa. Mas são as obras anuais de reparação do estádio e as «despesas diversas» que levam a grande fatia dos dinheiros públicos.





1 comentário:

Feliciano Mario disse...

mais um contrato ruinoso para os municipes bracarenses .està preparar a gestão do çlube assim não tem despesas manutenção do estádio só lucros