segunda-feira, 28 de março de 2011

Ser pobre é um desporto cada vez mais caro

Em Portugal, o golfe é um desporto cada vez mais barato, e ser pobre é um desporto cada vez mais caro. A mensagem do Governo é clara: "Portugueses, não sejam pobres
A intenção do Governo de reduzir para 6% a taxa do IVA sobre a prática do golfe é um orgulho para os golfistas e uma vergonha para os sindicalistas. Um grupo de pessoas com fraca organização coletiva, sem recurso a manifestações nem presença na mesa da concertação social, consegue ser mais eficaz na satisfação das suas justas aspirações do que a CGTP e a UGT juntas. O fenómeno volta também a indicar uma relação preocupante entre a contestação social bem sucedida e o uso de calças ridículas: depois de manifestantes dos anos 70, com as suas calças à boca de sino, terem obtido conquistas sociais importantes, os golfistas conseguem agora o seu lugar na história da luta reivindicativa. Parece evidente que os trabalhadores de hoje só não gozam de melhores condições de vida porque Carvalho da Silva não tem a argúcia de comparecer nas manifestações de pijama.

Além dos golfistas, o Governo também está de parabéns. É verdade que cedeu a um grupo social, mas soube fazê-lo enviando um sinal à sociedade: em Portugal, o golfe é um desporto cada vez mais barato, e ser pobre é um desporto cada vez mais caro. A mensagem do Governo é clara: "Portugueses, não sejam pobres." É tão caro ser pobre em Portugal, com todas as medidas que o Governo tem tomado para taxar a pobreza, que só por teimosia um grupo cada vez mais alargado de pessoas se mantém pobre. Por preguiça ou burrice não levam a sério o esforço que o Governo tem feito, através de cargas fiscais e outras penalizações, para desencorajar quem insiste em ter má qualidade de vida e premiar quem tem boa qualidade de vida. Quem vive melhor paga menos impostos e tem mais benefícios, mas nem assim os portugueses percebem que devem passar a viver melhor. É incrível.

A argumentação do Governo é, além do mais, impossível de rebater: o golfe constitui uma importante alavanca do turismo. Há inúmeros cidadãos estrangeiros que procuram o nosso país para praticar o desporto. Mas, depois de terem gasto vários milhares de euros em tacos, viagens e hotéis, se os obrigam a pagar uma taxa de 23%, igual à dos refrigerantes e das latas de conserva, pegam no seu equipamento e vão jogar para países em que o IVA não lhes dê cabo do parco orçamento que têm para alimentação, saúde e jato privado. Quem persiste em viver com dificuldades, envergonhando-se a si mesmo e ao País, e continua a queixar-se dos impostos sobre bens importantes, deve pensar no modo como pode contribuir para o turismo em Portugal. Aglomerem-se nas imediações dos campos de golfe e convençam os jogadores a beber leite achocolatado e iogurtes. Em princípio, o IVA dos produtos que eles consomem baixa imediatamente de 23 para 6 por cento. Não falha.

Ricardo Araújo Pereira
http://aeiou.visao.pt/

4 comentários:

Paulo Pimentel Torres disse...

A mentalidade é... sou Pobre mas tu também hás-de ser pobre um dia, em vez de... sou pobre mas um dia hei-de ser rico como tu.!
Os restaurantes pagam iva reduzido em defesa do turismo, os hoteis também..será que o milhão de turistas que vem jogar golfe no inverno, virá se os campos estiverem falidos???
RAP gosta de falar sobre tudo, contudo não diz quanto dos cobra aos cofres das Tvs por dizer uma meia duzia de barbaridades sem tão pouco se importar com os outros.
desafio RAP a dar algum aos pobres.

Paulo Novais disse...

@Paulo Torres
Os teu argumentos são fálicos, em minha opinião, por diversos prismas da questão.

1. estamos em tempos, não de criar excepções, mas sim regras. E a regra deve ser que a crise calha a todos sem excepção.

2. faço-te uma pergunta, já agora, quem teve pena do supermercado da minha rua, que fechou e ninguém lhe baixou os impostos?

3. os restaurantes, mesmo assim, pagam o dobro do que paga o golfe.

4. dizes que a mentalidade em Portugal e nivelar pelo pobre, no entanto desdenhas das capacidades do RAP auferir o que aufere e da forma como ele gasta ou não o que ganha, com maior ou menor esforço, sorte a dele. Pelo teu prisma, devias elogia-lo antes e quere ser como ele.
É caso para te dizer, olha para o que digo...
:))

Paulo Pimentel Torres disse...

@ P.N. -1 - Claro está que conforme digo, o assunto é e deveria ser... descer o iva para a prática de todos os desportos. (percebeu agora?).
2 e 3 não comento.
4 - quanto ao RAP, não sou eu que almejo a ser como ele... nem gostaria. (Benfiquista? ;))hehe

Paulo Novais disse...

@PPT
1- eu percebi. Tu não. se não podes baixar em igualdade de circunstâncias a todas as actividades, então não baixas a nenhuma.
A crise quando veio, foi para todos. Ou não?
2 e 3 - tenho pena.
4- muitas cólicas vocês têm por causa do Benfica. Olha que o FCP a mim não me aquece ou arrefece.
;-)

Nota: já agora, se o golfe é um desporto, baixe-se o IVA aos matraquilhos!!!